Pular para o conteúdo principal

Postagens

家族

Eu procurei alguma maneira de dizer o que devia ser dito, devia ter dito quando tive oportunidade, mas me retrai e fui embora. Os meus erros fizeram com que a vergonha me tomasse, eles me introduziram a uma caixa onde só havia eu, só cabia a mim. A vida não pode nos obrigar a ficar dentro da nossa zona de conforto para sempre, vocês não podem me obrigar a ser o que não sou, tem de me aceitar, aceitar meus sonhos, e o que me faz bem. Me espremeram para dentro de seus mundos, e querem me obrigar a ficar lá com vocês, querem me obrigar a ser como todos vocês, a agir como vocês, a ser feliz do jeito que querem que eu seja. Por quê não podem aceitar a mim, a o que quero, por quê não podem aceitar a minha felicidade, os meus momentos. Por quê me chutam para fora toda vez que contrario o que vocês queriam de mim, por quê me tratam como um cachorro de rua em um dia de chuva, por quê me olham torto, por quê me olham com desprezo, por quê me rebaixam, me negam, desgostam de mim quando faço minh…
Postagens recentes

Encarando a verdade

As coisas ficam tão diferente quando você passa a encara-la e entende-la de forma diferente. Entender que você tem uma vida, e que ela não pode parar (e nem vai) por acontecimentos ruins, a questão é que, a culpa é toda nossa. Ninguém além de nós mesmos tem o poder de deixar a nossa vida tão ruim, quanto nós mesmo. Uma vez ouvi o pastor dizer isso: A vida que eu crio, é a vida que eu vivo. Essa frase entrou na minha cabeça e eu não consegui esquece-la. Depois de ter ouvido aquilo eu sai me perguntando, "Que vida estou criando para mim? Será que ela é boa ou ruim?", e eu me questionei sobre isso durante a semana, mas um tempo depois eu me esqueci. Já nem me importava mais com aquilo, me esqueci completamente. Foi justamente ter esquecido, um dos motivos para eu ter percebido que de fato a vida que eu estava criando era ruim. Ouvi aquilo, me questionei durante uma semana, mas não me importei em procurar a resposta, quando na verdade ela estava na cara. Era não era boa. A verd…

O que as coisas significam para você?

- O que as coisas significam para você? - o coelho perguntou atencioso a menina. - não sei. - como não sabe menina? As coisas precisam ter um significado em nossas vidas. Um pássaro voando, a liberdade. Um sorriso de alguém que amamos, o que significa à você? - no momento nada. Nada tem tido significado para mim, e  nem tem sido bom o bastante para que eu possa me importar em procurar um. - o coelho indignado subiu as escadas e ao descer de lá carregou com ele livros. - Eles escreveram sobre coisas que eu jurava nunca encontrar os significados. Mas cá estou eu, encontrei-os e agora estou bem melhor. - Precisamos de significado para a felicidade seu coelho? - o coelho a observa por alguns segundos procurando a resposta certa. Mas terá uma resposta certa? - Coelho, compreendo eu, que a felicidade é individual, talvez por isso não à tenha, talvez por não a ter, as coisas, as pessoas, os lugares, tudo... não há mais significado para mim. - o coelho que sempre tinha uma resposta para tudo…

Eu me lembrei...

Um dia desses enquanto eu escrevia um trabalho de escola, parei por uns instantes e comecei a pensar sobre coisas que já aconteceram e desde de então isso vêm acontecendo com frequência. Não que seja algo bom, eu gosto disso, gosto de me lembrar dos momentos felizes.  Então naquele dia eu me lembrei da dança, do teatro, da música, das vendinhas de rua, dos dias de chuva em que assistia filmes na sala com minha irmã, das feiras de culturas em que eu saia de lá totalmente pintada de borboleta. Então depois aconteceu de novo, me lembrei da minha primeira escola de ensino fundamental. Eu costumava me lembrar de lá de um jeito ruim, mas quando me lembrei dessa vez, foi de um jeito bom. Eu só conseguia pensar em como eu pensava que pudia fazer o que eu quisesse, podia ser atriz, cantora, dançarina e veterinária ao mesmo tempo, e hoje mal sei o que posso e o que quero ser.  Me lembrei de quando eu comecei a escrever, eu sempre fui uma pessoa sem paciência, sensível e tão ingênua daquele jei…

Então vai ser assim?

Há, então foi pra isso que chegou até aqui? Pra largar tudo de mão beijada, deixar o vento levar tudo? E seus sonhos? E as conquistas que você conseguiu fazer até agora? Isso não vale mais nada pra você? Como algo que era tão grande se tornou tão pequeno assim do nada? Cadê aquele sorriso e aquela força de vontade de ser diferente, de fazer diferente, em meio a tantas pessoas ruins, iguais, programadas, você vai deixar ser só mais um realmente? Você vai ficar de boca fechada? Vai deixar que essas pessoas continuem se achando superiores? Vai largar as pessoas que você ama e deixa-las sós mesmo sabendo que elas precisam de ajuda, precisam de você? Demorou tanto pra quase se achar e quando está quase lá vai voltar pra trás?  Não era essa pessoa que eu conheci à um tempo atrás, a pessoa que eu conheci era tão boa, tinha os olhos brilhantes de tanto amor, um sorriso tão lindo e uma cabeça cheia de sonhos.

Ser.

E eles vão dizer que te entendem, mas nunca irão entender. Não foi com eles que aconteceu e é por isso que eles não te entendem. Eles podem até tentar fazer com que você participe de algo, mas não vão conseguir, você nunca entrará de verdade neste "algo" deles. Você vai se sentir culpada por eles não te entenderem, vai se sentir jogada, vai se sentir diferente, mas depois de um tempo perceberá que não é culpa sua eles não te entenderem, e que eles realmente te jogaram porque não sabiam aceitar algo novo, alguém novo, e o melhor, vai perceber que ser diferente não é algo ruim. Então em um dia qualquer você vai se perguntar coisas sobre você que nem você entende, e por que você é assim, vai ter uma terrível dúvida sobre quem você é e vai se sentir perdida em meio á tantos pensamentos, não saberá se deve gostar do que realmente gosta ou do que os outros querem que você goste. Mas vai ter um outro dia qualquer que você vai olhar para o céu e ao seu redor e vai se sentir extrema…
Tomo um café quente enquanto o computador se inicia,  tomo café quente porque raramente acordo realmente acordado. Tomo um banho porque já é hora. Me arrumo para ir para o trabalho porque não posso me atrasar, se eu atrasar o chefe vai me xingar.  E aquele frescor após o banho já acaba assim que saio da porta da minha casa até o ponto de ônibus, é quente demais e eu odeio isso. Minha mãe sempre me avisava: tome um banho gelado, é melhor. Mas quem disse que eu fazia isso? Em pé esperando o ônibus, ouço meu celular tocar, não é ninguém interessante então resolvo não atender.  Subo, depois desço as escadas do ônibus, ando um pouco e finalmente lá, naquele maldito lugar. Ando para frente e depois para o lado, não queria estar ali.  Então de repente ela aparece e eu me esqueço de todos os motivos para não querer estar ali, da insônia, dos alugueis atrasados, do meu cachorro que morreu... tudo de ruim.  - Oi! - ela disse sorrindo.  - Oi! - eu sorrio mais ainda.