Pular para o conteúdo principal

Eu me lembrei...

Um dia desses enquanto eu escrevia um trabalho de escola, parei por uns instantes e comecei a pensar sobre coisas que já aconteceram e desde de então isso vêm acontecendo com frequência. Não que seja algo bom, eu gosto disso, gosto de me lembrar dos momentos felizes. 
Então naquele dia eu me lembrei da dança, do teatro, da música, das vendinhas de rua, dos dias de chuva em que assistia filmes na sala com minha irmã, das feiras de culturas em que eu saia de lá totalmente pintada de borboleta.
Então depois aconteceu de novo, me lembrei da minha primeira escola de ensino fundamental. Eu costumava me lembrar de lá de um jeito ruim, mas quando me lembrei dessa vez, foi de um jeito bom. Eu só conseguia pensar em como eu pensava que pudia fazer o que eu quisesse, podia ser atriz, cantora, dançarina e veterinária ao mesmo tempo, e hoje mal sei o que posso e o que quero ser. 
Me lembrei de quando eu comecei a escrever, eu sempre fui uma pessoa sem paciência, sensível e tão ingênua daquele jeito não sabia o que fazer, mas estava certa de que ninguém entenderia, então comecei a escrever no papel, diários, poemas, e até xingamentos... ele não precisava me entender, só precisava me ler, era tudo que eu precisava, porque afinal quem naquela época queria dar ouvidos a uma menininha tão boba?
E ainda hoje ainda me sinto assim, uma menininha boba. Preciso do abraço das pessoas, eu sei que isso é meio egoísta, mas cá entre nós, costumo tratar meu coração como uma criança doente, dou-lhe tudo o que me pede, as pessoas não entenderiam eu sei, mas ultimamente isso não tem acontecido. Afinal, nem tudo que quero eu posso. 
Voltando as lembranças... 
Quando abri as pastas do meu computador, achei minhas músicas lá de 2012, e me lembrei de quando eu achei um cd, não sabia que aquele cd mudaria algo na minha vida, mas mudou. Lembro que as primeiras músicas que ouvi eram do Charlie Brown Jr, ao ouvir me apaixonei pelas músicas, pela banda e pelo chorão, se tornou minha banda preferida, mas mal sabia que no ano seguinte não teria mais chorão, nem charlie brown jr. Foi por lá que conheci tantas músicas, quando escutei the beatles, nirvana, nando reis, entre outros, pela primeira vez. Eu odiei as músicas de primeira, mas por algum motivo eu sempre colocava aquele cd pra tocar, até que eu simplesmente comecei a gostar tanto daquelas músicas. 
Achei que iria parar por ai, afinal os anos seguintes não foram tão bons, foi uma transição minha e eu não sabia com quem eu podia ou não contar. 
Mas eu me lembrei de Janeiro deste ano. Eu achei estranho, enquanto eu passava pela praça que tem em uma avenida muito conhecida e cheia de comércios, comecei a me lembrar das vezes que fui até lá nas férias, eu me deitava nos banquinhos e pensava em tanta coisa. Principalmente em um garoto que eu gostava na época, e hoje dou tantas risadas disso, eu tinha uma queda por um atendente da livraria, e eu ia lá justamente na hora do almoço dele, porque ai eu o via. Eu não me entendia, mas eu era eu e isso era tão bom. Quando eu passei lá a minha maior vontade foi me deitar lá de novo, e pensar em coisas novas, e rir de mim mesma, senti uma imensa vontade de simplesmente voltar a andar pela aquela avenida olhando tudo, observando. 
Hoje eu percebi tantas coisas, quando eu simplesmente peguei um livro e li por cerca de uma hora seguida, a amizade que eu achei que nunca teria hoje tenho, o sorriso dele, tudo que faz parte de mim, apesar de todos os meus defeitos reconhecidos, eu consegui superar muita coisa. Então me fiz uma proposta, de me deixar em paz por um tempo, não porque eu mereço, porque eu tenho uma certa necessidade disso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Encarando a verdade

As coisas ficam tão diferente quando você passa a encara-la e entende-la de forma diferente. Entender que você tem uma vida, e que ela não pode parar (e nem vai) por acontecimentos ruins, a questão é que, a culpa é toda nossa. Ninguém além de nós mesmos tem o poder de deixar a nossa vida tão ruim, quanto nós mesmo. Uma vez ouvi o pastor dizer isso: A vida que eu crio, é a vida que eu vivo. Essa frase entrou na minha cabeça e eu não consegui esquece-la. Depois de ter ouvido aquilo eu sai me perguntando, "Que vida estou criando para mim? Será que ela é boa ou ruim?", e eu me questionei sobre isso durante a semana, mas um tempo depois eu me esqueci. Já nem me importava mais com aquilo, me esqueci completamente. Foi justamente ter esquecido, um dos motivos para eu ter percebido que de fato a vida que eu estava criando era ruim. Ouvi aquilo, me questionei durante uma semana, mas não me importei em procurar a resposta, quando na verdade ela estava na cara. Era não era boa. A verd…

O que as coisas significam para você?

- O que as coisas significam para você? - o coelho perguntou atencioso a menina. - não sei. - como não sabe menina? As coisas precisam ter um significado em nossas vidas. Um pássaro voando, a liberdade. Um sorriso de alguém que amamos, o que significa à você? - no momento nada. Nada tem tido significado para mim, e  nem tem sido bom o bastante para que eu possa me importar em procurar um. - o coelho indignado subiu as escadas e ao descer de lá carregou com ele livros. - Eles escreveram sobre coisas que eu jurava nunca encontrar os significados. Mas cá estou eu, encontrei-os e agora estou bem melhor. - Precisamos de significado para a felicidade seu coelho? - o coelho a observa por alguns segundos procurando a resposta certa. Mas terá uma resposta certa? - Coelho, compreendo eu, que a felicidade é individual, talvez por isso não à tenha, talvez por não a ter, as coisas, as pessoas, os lugares, tudo... não há mais significado para mim. - o coelho que sempre tinha uma resposta para tudo…