Pular para o conteúdo principal

eu & eu

Hoje eu acordei e percebi que eu era mais eu acordei e percebi que eu era mais eu do que nunca. Tudo bem, é fácil ser você mesma quando se está sozinha em um quarto, mas é tão difícil quando você finge algo o tempo todo, porque você acaba esquecendo quem você é de verdade, quem você quer ser e as vezes até quem você não quer ser. Mas naquele momento eu estava tão ciente de todas essas coisas, o meu cabelo bagunçado, armado, mas cheio que cachinhos nas pontas, e eu nunca percebi o quanto eu gostava daquilo. Sempre soube que quando se ama uma pessoa devemos aceitar não só as partes boas, mas os defeitos também, mas se é difícil aceitar algo que está em outro, imagina algo que está em você? Você que ocupa seu corpo, vive sua vida, se abriga 24 horas por dia, tendo que tentar descartar os alarmes dos seus defeitos, mas nem sempre conseguindo, na verdade na maioria das vezes não.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Encarando a verdade

As coisas ficam tão diferente quando você passa a encara-la e entende-la de forma diferente. Entender que você tem uma vida, e que ela não pode parar (e nem vai) por acontecimentos ruins, a questão é que, a culpa é toda nossa. Ninguém além de nós mesmos tem o poder de deixar a nossa vida tão ruim, quanto nós mesmo. Uma vez ouvi o pastor dizer isso: A vida que eu crio, é a vida que eu vivo. Essa frase entrou na minha cabeça e eu não consegui esquece-la. Depois de ter ouvido aquilo eu sai me perguntando, "Que vida estou criando para mim? Será que ela é boa ou ruim?", e eu me questionei sobre isso durante a semana, mas um tempo depois eu me esqueci. Já nem me importava mais com aquilo, me esqueci completamente. Foi justamente ter esquecido, um dos motivos para eu ter percebido que de fato a vida que eu estava criando era ruim. Ouvi aquilo, me questionei durante uma semana, mas não me importei em procurar a resposta, quando na verdade ela estava na cara. Era não era boa. A verd…

Eu me lembrei...

Um dia desses enquanto eu escrevia um trabalho de escola, parei por uns instantes e comecei a pensar sobre coisas que já aconteceram e desde de então isso vêm acontecendo com frequência. Não que seja algo bom, eu gosto disso, gosto de me lembrar dos momentos felizes.  Então naquele dia eu me lembrei da dança, do teatro, da música, das vendinhas de rua, dos dias de chuva em que assistia filmes na sala com minha irmã, das feiras de culturas em que eu saia de lá totalmente pintada de borboleta. Então depois aconteceu de novo, me lembrei da minha primeira escola de ensino fundamental. Eu costumava me lembrar de lá de um jeito ruim, mas quando me lembrei dessa vez, foi de um jeito bom. Eu só conseguia pensar em como eu pensava que pudia fazer o que eu quisesse, podia ser atriz, cantora, dançarina e veterinária ao mesmo tempo, e hoje mal sei o que posso e o que quero ser.  Me lembrei de quando eu comecei a escrever, eu sempre fui uma pessoa sem paciência, sensível e tão ingênua daquele jei…

O que as coisas significam para você?

- O que as coisas significam para você? - o coelho perguntou atencioso a menina. - não sei. - como não sabe menina? As coisas precisam ter um significado em nossas vidas. Um pássaro voando, a liberdade. Um sorriso de alguém que amamos, o que significa à você? - no momento nada. Nada tem tido significado para mim, e  nem tem sido bom o bastante para que eu possa me importar em procurar um. - o coelho indignado subiu as escadas e ao descer de lá carregou com ele livros. - Eles escreveram sobre coisas que eu jurava nunca encontrar os significados. Mas cá estou eu, encontrei-os e agora estou bem melhor. - Precisamos de significado para a felicidade seu coelho? - o coelho a observa por alguns segundos procurando a resposta certa. Mas terá uma resposta certa? - Coelho, compreendo eu, que a felicidade é individual, talvez por isso não à tenha, talvez por não a ter, as coisas, as pessoas, os lugares, tudo... não há mais significado para mim. - o coelho que sempre tinha uma resposta para tudo…